Notícias

Você está aqui:

Mulheres & neurologia: exemplos de excelência

A Academia Brasileira de Neurologia há décadas perfila ao lado das mulheres nas lutas por igualdade de oportunidades profissionais e remuneração, contra violência doméstica, contra o assédio e as distintas manifestações de discriminação por gênero, só citando algumas.


Internamente, aliás, especialistas associadas a ABN formam uma Comissão Mulheres na Neurologia, atuando diuturnamente por mais avanços. Organicamente o grupo existe desde 2019, mas muito antes disso já atuava.


A coordenadora Sônia Brucki conta que um dos motivos da criação da Comissão foi a insatisfação com o fato de diversas mesas em Congresso serem compostas somente por homens, quando as médicas já eram quase metade do corpo da Medicina.


“Na Neurologia não é muito diferente e ainda temos uma caminha grande. Só duas mulheres foram presidente da ABN. Pouquíssimas são as professoras titulares nos departamentos nas universidades. Portanto, é longa a estrada em direção à equidade de sexo. Por vezes as próprias mulheres têm posições machistas e sustentam o status quo. Ainda há a situação de que a última palavra é do homem ou de que seja corrigida ou cortada nas opiniões. Paternalismo também é uma forma de considerar o outro meio desprotegido ou incapaz”.


Pesquisa


A princípio, a ideia da Comissão era focar todas as situações de desigualdade e abusos, porém a adesão entre as próprias mulheres ficou aquém do esperado. Recentemente, houve duas enquetes com as membros da ABN para compreender o cenário globalmente. Os dados estão em fase de consolidação e brevemente serão divulgados.


“Temos diferenças em relação a cargos de liderança, mesas em congressos e aulas, bem como em comissões organizadoras de eventos congressos. Isso tem que ser combatido é eliminado. Igualdade entre os sexos tem de ser prevalente, obedecendo-se o número de participantes em determinada subespecialidade. Queremos igualdade e respeito”.


Movimento


Hoje, se observarmos os cargos de direção em associações médicas e outras entidades associativas, é notória a pouca representatividade feminina. De acordo com levantamento da Faculdade de Medicina da USP, endossado pelo estudo Demografia Médica do Conselho Federal de Medicina (CFM), desde 2009 o número de médicas que saem da graduação, no Brasil, tem sido maior que o de homens.


Entre os profissionais com menos de 29 anos de idade, as mulheres já são a maioria. Os postos de chefia, de professor, ou de prática clínica não condizem ao número de graduadas e/ou das ainda em formação.

“Até na ABN isto pode ser observado, vide o Conselho Deliberativo e outros fóruns de decisão”, argumenta Elza Dias Tosta, neurologista, PhD e ex-presidente da Academia.


O grid de largada para mudanças, as mulheres bem sabem, chama-se luta. É ainda indispensável a democracia, a garantia de liberdade de expressão, o contraditório, além de humildade para realinhar quando preciso.


Essas são premissas na Academia Brasileira de Neurologia que, no decorrer dos anos, mais e mais sustenta a bandeira de igualdade de gêneros. Elza ilustra bem como certas mudanças são concretas e para sempre, ao recordar de sua vivência na Medicina.


“Éramos seis em um universo de 80 alunos que entraram na Faculdade de Ciências Médicas da UEG/ Estadual do Rio de Janeiro, em 1963. Única residente da Neurologia, comecei a sentir as primeiras resistências a minha escolha profissional. Tive que ouvir de professor: ‘Você acha que alguém vai confiar sua cabeça a uma mulher?’”.


Faz tempos, ela recebeu convite para participar da Associação das Mulheres Médicas, recusou: “Sou graduada em Medicina, independentemente do gênero”.


Em diversas outras ocasiões, Elza teve portas fechadas, ela pontua, por ser mulher.
Só que as coisas mudam: aqui, todos os méritos a elas. É fruto da resistência de milhões de mulheres pelo mundo, de milhões no Brasil, a luta de tantas anônimas e outras que já são história, a inquietude de médicas, de neurologistas etc.


Em décadas recentes, a participação de mulheres na Neurologia é crescente, firme e determinante. Aos poucos elas ocupam espaços relevantes. Atualmente, temos especialistas brasileiras em postos-chave da World Stroke Organization (WSO), do Capítulo Latinoamericano da Federação Internacional de Neurofisiologia Clínica, da International Society of Peripheral Neurophysiological Imaging (ISPNI), entre outras.

Compartilhe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Notícias recentes
Próximos eventos
Nenhum evento encontrado!
Entre em contato
LGPD
Cadastro

Cadastre-se e fique por dentro das novidades e eventos da ABNeuro

© Academia Brasileira de Neurologia