Notícias

Você está aqui:

EM DEBATE: Decálogo sobre a maconha

Em meio às mudanças legislativas referentes à venda de medicamentos à base de cannabis no Brasil, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), divulgou o “Decálogo sobre a maconha”, um conjunto de normas que alerta a população sobre os efeitos da planta.

Informam as instituições que, entre as mais de 400 substâncias presentes na Cannabis indica e na Cannabis sativa, apenas o canabidiol (CBD) está sendo estudado como opção terapêutica. Visto que os resultados ainda são escassos, a regulamentação sobre o consumo deve ser especial, pois não se sabe ao certo quais são os efeitos decorrentes do uso crônico.

Sônia Brucki, membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN) e médica do Grupo de Neurologia Cognitiva e do Comportamento (GNCC) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), considera interessante a separação entre o termo “maconha medicinal” e o uso de tetrahidrocanabinol (THC) e CBD, mas acredita que o documento tenha sido um pouco extremista. 

“A maconha existe em vários tipos, dependendo de variações de concentração de THC e efeitos psicotrópicos, dependendo de qual planta se observa, portanto, todos os efeitos não podem ser generalizados sem pesquisa. Deve-se realçar que, entre as muitas substâncias, as mais estudadas pelas suas potencialidades medicinais são o CBD sozinho ou em associação ao THC”, explica.

Os mandamentos descrevem ainda os malefícios para a saúde do consumo da maconha, como o prejuízo à atenção, à memória, às funções executivas, à percepção da realidade e à tomada de decisões. Além disso, pode induzir a doenças como esquizofrenia, transtorno bipolar, ansiedade e depressão, bem como levar a determinadas infecções respiratórias e doenças mais graves. Durante a gestação, pode até provocar alterações no cérebro do feto. 

A neurologista reafirma tais resultados e incentiva o uso controlado para pesquisas. Segundo ela, há ainda muitas descobertas a serem feitas sobre os benefícios do uso de algumas das substâncias da maconha no tratamento de doenças. Até o momento, pacientes com espasticidade, dor neuropática e epilepsia são os mais favorecidos. “A ciência não pode sofrer o efeito de pré-conceitos”, pontua.

Maconha e trânsito

O decálogo ressalta ainda que a dependência aumenta o número de acidentes no trânsito. Em “Efeito do Uso de Drogas sobre o Comportamento e a Cognição de Motoristas”, outro documento realizado em parceria com o CFM, mas dessa vez sob iniciativa da Associação Médica Brasileira (AMB), destaca-se que o consumo da cannabis duplica o risco de colisões graves ou fatais. Alterações cognitivas como lentificação dos movimentos, redução da atenção e aumento dos desvios laterais de pistas são extremamente prejudiciais ao motorista e seus passageiros. 

Áquila dos Anjos Couto, médico de tráfego pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet/AMB) e doutorando pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), enxerga o documento como uma possível experiência de sucesso entre as sociedades médicas, como foco na atenção integrada e valorização da promoção de vida no trânsito.

“Estudos comprovam que a maconha é a droga mais prevalente entre motoristas envolvidos em colisão, principalmente combinada com o álcool. A preocupação ressaltada pelo CFM e ABP, com interesse da SBN e Abramet, é inerente à origem da especialidade”, afirma dr. Áquila.

Compartilhe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Notícias recentes
Próximos eventos
Nenhum evento encontrado!
Entre em contato
LGPD
Cadastro

Cadastre-se e fique por dentro das novidades e eventos da ABNeuro

© Academia Brasileira de Neurologia