Notícias

Você está aqui:

Igualdade de gênero na Neurologia

Muito foi feito até o presente momento. Em nome da garantia dos direitos das mulheres, trilhamos caminhos tortuosos e inimigos ferozes; e ainda há uma longa etapa a percorrer. 

Contudo, é inegável que elas ganharam vez e voz na sociedade em geral e na neurologia com o decorrer dos anos.

       Nesse contexto, a The Lancet, conceituada revista científica de medicina, publicou artigo que reverbera até hoje. O título é “2020: a critical year for women, gender equity, and health”; destaca a necessidade de orientar as mulheres da área da saúde sobre a importância de trabalhar sempre pela igualdade de gênero. 

       The Lancet considera o ano de 2020 um marco por simbolizar os 25 anos da Conferência Mundial das Mulheres, ocorrida em Pequim (China) em 1995. À época, o centro dos debates foi a igualdade de gênero na promoção da justiça social e do desenvolvimento sustentável. 

Por esses e outros motivos, 2020 é tratado como momento ímpar à reflexão, ao comprometimento e à ação sobre a temática.  

Sonia Brucki, livre-docente em Neurologia, membro titular e da Comissão de Ensino da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), acredita que há um movimento crescente para alcançar uma equidade entre os sexos na saúde. 

“Vários estudos têm relatado a diferença quanto ao número de palestrantes homens, desproporcional ao de mulheres em determinadas áreas, bem como diferença salarial e a rara presença das mulheres em postos de comando ou de projeção”, pontua.

Aliás, a desigualdade entre homens e mulheres afeta diretamente o campo da saúde. De acordo com o relato da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), somente 28% dos pesquisadores no mundo são mulheres. Esses dados colidem com um cenário de “feminização da medicina” no Brasil: em 2017, tínhamos 45,6% profissionais eram do sexo feminino, segundo dados da Demografia Médica no Brasil, do Conselho Federal de Medicina. 

Sociedades médicas têm discutido sobre como lidar e alcançar a equidade entre os sexos. Entre as instituições comprometidas a mudar a realidade, a ABN destaca-se com iniciativas promissoras. Desde 2019, formou o grupo “Mulheres na Neurologia”, que busca o estudo e discussão sobre as atividades das mulheres no campo. 

Coordenadora do projeto, Sonia afirma que conta com o apoio do atual presidente da academia, Gilmar Prado, e enfatiza os objetivos gerais: “Queremos abordar a neurologia como profissão, as diferenças na visibilidade por gênero nos estudos, congressos, cargos e em salários. Além disso, discutir a participação em eventos, liderança, condições das mulheres nas várias fases desde a formação acadêmica ao exercício da profissão, entre outros pontos”, conclui. 

Em 2019, o painel “Women in Neuro Science Congress” foi relevante passo da ABN no combate à desigualdade de gênero na especialidade: 

“A primeira edição foi feita com pesquisadores de doenças desmielinizantes e, em 2020, abrangerá diversas subáreas da especialidade”, comenta a neurologista. Esse ano, o “2nd Women in Neuro Science Congress” acontecerá entre os dias 6 e 7 de março, em São Paulo.  

Equidade significa crescer junto, tendo igualdade de oportunidades, direitos e deveres. Para Sonia, colocar o assunto em pauta é indispensável. 

“É essencial mapear como está nossa condição no Brasil para podermos diminuir estas diferenças. É necessário discutir o papel da mulher na neurologia desde a formação universitária, durante a residência e na vida profissional. É isso que estamos fazendo”. 

Para finalizar, Sonia relembra uma frase de Michael Gazzaniga sobre a falta de diferenças “If you were recording electrical impulses from a slice of the hippocampus in a dish and you were not told if the slice came from a mouse, a monkey, or a human, would you be able to tell the difference? Isso serve igualmente para homens, mulheres, homossexuais, transgêneros, raças, todos humanos”.   

Compartilhe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Notícias recentes
Próximos eventos
Nenhum evento encontrado!
Entre em contato
LGPD
Cadastro

Cadastre-se e fique por dentro das novidades e eventos da ABNeuro

© Academia Brasileira de Neurologia