Notícias

Você está aqui:

Projeto de Lei que busca alterações na política de agrotóxicos é prejudicial para saúde e pode causar doenças neurológicas

A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei 6299/02, visando à alteração do registro de agrotóxicos no Brasil. Entre as mudanças, alija o Ministério do Meio Ambiente e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) dos processos de fiscalização e análise, transferindo e centralizando as atribuições e responsabilidades no Ministério da Agricultura.

Classificado como “PL do Veneno” por entidades de defesa do meio ambiente, da saúde e inclusive por juristas, o projeto de lei possibilita a concessão de registro temporário para novos pedidos de comercialização de agrotóxicos no Brasil.

Ainda estabelece que, a partir de agora, o produto será nomeado pelo termo pesticida, e não mais de agrotóxico – colidindo com a definição outorgada pela Constituição Federal de 1988.

A Academia Brasileira de Neurologia (ABN) considera que o PL 6299/02, agora em análise do Senado Federal, acarretará grande aumento no uso de agrotóxicos, e por consequência, flagrante retrocesso em saúde pública. O projeto embute iminente perigo de intoxicação àqueles que manuseiam agrotóxicos, assim como aos consumidores, além de risco para o desenvolvimento ou agravamento de uma série de doenças.

Na literatura médica, há fartas evidências de condições relacionadas ao contato/utilização de agrotóxicos. Entre elas algumas doenças neurológicas, tais como doença de Parkinson, neuropatias periféricas, alterações neuropsiquiátricas. São, aliás, manifestações mais comuns entre pessoas que tiveram exposição a agrotóxicos.

Existem inclusive estudos brasileiros recentes sobre essa relação: como o Occupational pesticide exposure and the risk of death in patients with Parkinson’s disease: an observational study in outhern Brazil, publicado na Environ Health, em 2020. Ao analisar o seguimento de 150 pacientes com doença de Parkinsonmostrou um aumento da mortalidade, em pacientes que tinham histórico de exposição ocupacional a agrotóxicos.

Diante do atual cenário e à luz da ciência, a ABN registra seu posicionamento aos cidadãos e aos parlamentares/governantes em todos os níveis.

Nossa compreensão é a de que a flexibilização da legislação, nos moldes do PL 6299/02, compromete e choca-se frontalmente com os direitos fundamentais, entre os quais o previsto pelo artigo 126 de nossa Carta Magna:

“A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.

Aos senadores da República, registramos nossa preocupação, assim como a confiança de que serão contrários a essa e a quaisquer outras proposituras que abram portas à liberação de produtos nocivos à saúde.

São Paulo, 24 de fevereiro de 2022

Compartilhe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Notícias recentes
Próximos eventos
Nenhum evento encontrado!
Entre em contato
LGPD
Cadastro

Cadastre-se e fique por dentro das novidades e eventos da ABNeuro

© Academia Brasileira de Neurologia