Notícias

Você está aqui:

Mulheres na Neurologia: em live, elas mostram que há muito a avançar

O Congresso Brasileiro de Neurologia 2022 está marcado para Fortaleza, Ceará de 21 a 24 de setembro. Promovido pela Academia Brasileira de Neurologia (ABN), o Neuro 2022 tem como objetivo debater as técnicas e conhecimentos mais atuais, visando o futuro da especialidade.

Em formato híbrido, terá exposições de alguns dos principais neurologistas do país e internacionais versando sobre áreas de atuação como transtornos do movimento, epilepsia, sono e distúrbios cognitivos, além de oficinas especiais.

Enquanto setembro não chega, algumas lives e webinars vêm sendo promovidas nas redes sociais do Congresso. É o caso da live “Mulheres na Neurologia e Oficinas do Neuro 22”, transmitida pelo Instagram em 8 de março, Dia da mulher.

Com a participação das neurologistas Fernanda Maia, Lívia Dutra, Sheila Martins e Sônia Brucki, a transmissão analisou a participação das mulheres na neurologia do Brasil.

“Há distintas diferenças. Por exemplo, entre o número de homens e mulheres palestrantes em congressos e demais eventos, então sempre tem um número desproporcionalmente menor na participação delas. Outra discriminação diz respeito à diferença salarial, sendo de 20 a 30% menor que a de homens em mesmo cargo”, destaca Sônia Brucki, livre-docente em Neurologia na Faculdade de Medicina da USP.

Ela completa, apontando que existem bem menos mulheres do que homens em cargos de comando e chefia na medicina.

Sheila Martins, presidente na Organização Mundial de AVC (World Stroke Organization), reforça a desproporção, testemunhando que em suas diversas participações em congressos e eventos ao redor do mundo, é notória a discrepância de gêneros.

“Sempre vemos mais homens palestrantes do que mulheres, isso em eventos internacionais, em diversos países. Assim, fico ainda mais feliz de ter assumido a Organização Mundial de AVC, instituição reconhecida globalmente. Já há muitas mulheres trabalhando comigo em posições de destaque, todas competentes demais. Isso é o começo de uma mudança: é essencial mostrar que a mulher é capaz e é ótima em tudo que faz, tanto em administração quanto gerenciamento, serviços ou pesquisa”, destaca.

Em acordo com a Dra. Sônia e a Dra. Sheila, a neurologista Lívia Dutra, docente na Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein, aponta que as mulheres compõem a maioria dos estudantes de medicina atualmente.

“Esse fato reforça a necessidade de uma medicina mais inclusiva. Acredito que a situação já esteja mudando, mas é uma questão cultural contraproducente”, pondera ela, que completa contando que dados da literatura atestam que locais com maior diversidade e igualdade de gênero tomam decisões melhores e menos enviesadas.

“Mulheres em posições de liderança é bom para qualquer instituição. É essencial na tomada de decisão, pois proporciona diversos ângulos e formas variadas de ver os problemas. Minha visão sobre isso é que existem inúmeras causas para as mulheres não ascenderem do ponto de vista profissional, mas essa deve ser uma luta coletiva, pois as discussões dentro da academia, do congresso e dos hospitais serão cada vez melhores por proporcionar pluralidade de visões, evitando vieses cognitivos”

Compartilhe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Notícias recentes
Próximos eventos
Nenhum evento encontrado!
Entre em contato
LGPD
Cadastro

Cadastre-se e fique por dentro das novidades e eventos da ABNeuro

© Academia Brasileira de Neurologia