Notícias

Você está aqui:

XXX Congresso da Academia Brasileira de Neurologia

Após dois longos anos de pandemia, o Brasil e a saúde começam a adentrar, aparentemente, período de retorno à vida normal. Embora, claro, ainda seja importante atentar-se para cuidados de prevenção e higiene. Com o aumento da cobertura vacinal no país e a queda no número de casos graves de Covid-19, graças a boa ciência, podemos zelosa- mente retornar com os encontros e eventos presenciais.


A ABN, diante de perspectivas mais amenas, irá promover neste ano o XXX Congresso da Academia Brasileira de Neurologia, de 21 a 24 setembro, na cidade de Fortaleza, Ceará. O tema central da edição será Refletindo a Neurologia. Contaremos com qualificados profissionais, do Brasil e do mundo, compartilhando conhecimento e as boas práticas sobre questões atuais e relevantes da especialidade.

Teremos assim, pela primeira vez desde o início da pandemia, um congresso híbrido, tomando todos os cuidados necessários na vertente presencial. Felizmente, esse formato possibilitará a realização de atividades e oficinas, que permitirão colocar os novos conhecimentos e aprendizados em prática, assim como no campo teórico. Será por demais relevante, especialmente para os jovens médicos, residentes e neurologistas recém-formados.


Enquanto o XXX Congresso não chega, lives com debates e apresentações vêm sendo transmitidas pelo Instagram, para aqueles que querem munir-se de informações fresquinhas desde agora. Houve em março, por exemplo, a live “Mulheres na Neurologia”, que contou com a presença de neurologistas brasileiras do primeiro time: Fernanda Maia, Lívia Dutra, Sheila Martins e Sônia Bruck.


Na live, elas levantaram fatos relevantes, que refletem a discriminação contra as mulheres que, aliás, prossegue lamentavelmente. Falou-se, com ênfase, de como há uma presença maior de homens palestrantes em congressos em comparação a elas.

É fato preocupante já que, por outro lado, em tempos atuais, a maior parte dos estudantes de medicina é do sexo feminino. Nossas colegas neurologistas também mencionaram as diferenças salariais, visto que a remuneração de mulheres da área chega a ser de 20 a 30% menor do que a de homens ocupando os mesmos cargos.


Tais dados refletem a urgência de se buscar ininterruptamente igualdade de gênero na neurologia e na sociedade em geral. Essa luta não cabe só a elas e sim a todos que fazem parte da comunidade médica pois, afinal, é sempre válido lembrar que, quanto maior pluralidade de vivências e ideias em um local, melhores resultados serão obtidos.

Por Carlos Roberto de Mello Rieder, Presidente ABN

Compartilhe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Notícias recentes
Próximos eventos
Nenhum evento encontrado!
Entre em contato
Cadastro

Cadastre-se e fique por dentro das novidades e eventos da ABNeuro

© Academia Brasileira de Neurologia