AVC: conhecer para prevenir

Desconhecimento da doença por parte de médicos e pacientes dificulta combate aos fatores de risco



Fraqueza ou formigamento, dificuldade súbita para falar, tontura, alteração repentina da visão e dor de cabeça repentina são os cinco principais sintomas do acidente cerebral vascular, o AVC. Porém, ainda que a doença atue rapidamente no entupimento ou rompimento das artérias sanguíneas, é alarmante o número de pessoas que não sabem reconhecer seus sinais.


“Existe um desconhecimento muito grande sobre o derrame no Brasil. A patologia é multifatorial e possui prevenção e tratamento eficazes, porém inacessíveis à grande parte da população. O tratamento endovascular, por exemplo, ainda não é pago pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Precisamos fazer um trabalho de disseminação de informação e conhecimento sobre os cuidados a se ter com o AVC”, explica dr. Octávio Marques, professor de Neurologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP) e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares (SBDCV). Hoje, 1 em cada 4 pessoas no mundo têm a doença e 1 em cada 6 morre em decorrência dela.


Os obstáculos ao tratar o acidente vascular cerebral adequadamente também dificultam a reversão desse cenário. Ainda que o tratamento do derrame cerebral tenha passado por uma revolução nos últimos tempos, o desconhecimento por parte dos profissionais prejudica a intervenção adequada. Segundo dr. Octávio, é preciso qualificar o trabalho conjunto multidisciplinar.


“O AVC é tão frequente no país que não pode ser responsabilidade apenas do neurologista. Todo profissional deve conhecer, saber como evitar e como tratar. É importante capacitar pessoas que atuam na área de Enfermagem, Fisioterapia, Psicologia, entre outras, a trabalhar em equipe contra a patologia”, declara dr. Octávio.


A doutora Gisele Sampaio, professora de Neurologia Clínica da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), concorda e aposta no ensino como forma de conscientização contra a doença: “Eu acho que o AVC mudou radicalmente a forma como a gente educa e informa os neurologistas nos dias de hoje. Ensinamos pensando na organização e atendimento adequado à doença no sistema de saúde”.


Mesmo a passos lentos, o combate ao AVC já resultou em inúmeros avanços. Segundo a dra. Gisele, estamos em uma era de grandes mudanças na prevenção da doença cerebrovascular. A utilização da neuroimagem avançada e de medicações anticoagulantes, por exemplo, contribuiu para diminuir a janela de tratamento e evitar que a doença atingisse mais pessoas. Além disso, alterou radicalmente a função do neurologista no mercado de trabalho, o qual passou a assumir mais cargos de liderança.


Na semana de 29 de outubro, Dia Mundial do Combate ao AVC, a comunidade médica brasileira se mobilizará em diferentes campanhas que visam ampliar o conhecimento populacional quanto ao acidente vascular cerebral e expandir o alcance da medicina na prevenção da doença. As iniciativas visam reforçar a atenção às principais causas do AVC (pressão alta, diabetes, colesterol alto, tabagismo, dieta desregulada, entre outras) e ao cuidado com a saúde.

0 visualização

Aulas
Prévias

icocbn.jpg
Untitled-1.fw.png
banner_digital 193X178.gif
abneuro.gif

Apoio:

HOME

INFORMAÇÕES

CONTATO

Rua Vergueiro, 1353, sl. 1404, 14ºandar;
Torre Norte Top Towers Office;
São Paulo/SP - Brasil CEP: 04101-000.

contato@abneuro.org

MÍDIAS SOCIAIS

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram

Copyright © Academia Brasileira de Neurologia 

Política de privacidade e uso de informações