Aulas
Prévias

icocbn.jpg
Untitled-1.fw.png
banner_digital 193X178.gif
abneuro.gif

Apoio:

HOME

INFORMAÇÕES

CONTATO

Rua Vergueiro, 1353, sl. 1404, 14ºandar;
Torre Norte Top Towers Office;
São Paulo/SP - Brasil CEP: 04101-000.

11 ) 5084-9463   -   11 ) 5083-3876
contato@abneuro.org

MÍDIAS SOCIAIS

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram

Copyright © Academia Brasileira de Neurologia 

Política de privacidade e uso de informações

Longevidade e seus desafios



Envelhecer. Cabelos brancos e rugas parecem assustar a maioria das pessoas desde os primórdios. Aliás, a busca por uma existência longeva ao máximo é anseio antigo da humanidade, impulsionado ainda mais pelos progressivos avanços na medicina. Não à toa, a expectativa de vida cresce anualmente.


Nesse campo, o Brasil enfrenta diversos desafios. Grande parte de nossa população só procura um médico em casos de doenças ou não o visitam por medo de exames ou diagnósticos indesejados. O resultado forma dados alarmantes: segundo o Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade (ICTQ), a taxa de automedicação no País chega aos 79%.


Como alento, há o fato de que, nos últimos tempos, o mundo assiste à ascensão de movimentos a perseguir uma longevidade saudável. São expressivos os números de pessoas que visam menos remédios e mais bem-estar. Esse desejo pode ser viabilizado por um conjunto de práticas e hábitos, com viés multidisciplinar no campo da saúde. 


Leonardo Cruz de Souza, coordenador do Departamento Científico de Neurologia Cognitiva e do Envelhecimento da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), pontua que hoje existem caminhos consistentes para um envelhecimento saudável e com vitalidade: “Temos possibilidades não farmacológicas, como a alimentação balanceada, estimulação cognitiva e atividades físicas regulares, que favorecem a longevidade de qualidade e segura”.


Os bons hábitos realmente interferem beneficamente no organismo. O exercício físico, por exemplo, potencialmente regula  mecanismos fisiopatológicos ligados à imunomodulação e à neuroinflamação..  No caso da estimulação do cérebro, a teoria da reserva cognitiva é a mais aceita: “Você, estimulando-se cognitivamente  ao longo da vida, terá maior reserva cerebral e complexidade sináptica, prevenindo o declínio cognitivo”, comenta Leonardo. 

Aliás, os hábitos saudáveis, ao ajudar a controlar diabetes, hipertensão, obesidade e depressão, também auxiliam diversos sistemas do corpo como o vascular.


DOENÇAS DEGENERATIVAS


Em relação à longevidade cognitiva, atualmente a expectativa está voltada às doenças degenerativas como o Alzheimer. A despeito de não existir uma cura, os avanços apontam para medicamentos que possam inibir o depósito anômalo das proteínas beta-amiloide e tau, evitando a acumulação anormal e o aparecimento da doença.


Os estudos e a tecnologia em medicina colaboram por demais no conhecimento sobre o assunto: “Talvez assim consigamos potencializar os agentes farmacológicos que interferem nessas proteínas, que se agrupam e provocam o Alzheimer”, avalia Leonardo.


Drogas que visam esse resultado estão em fase de testes. Para Paulo Bertolucci, professor adjunto e livre docente na disciplina de Neurologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), um obstáculo importante para a maior eficácia segue sendo o diagnóstico.


“Quando uma pessoa já está com a doença plenamente instalada, não adianta mais, por já ter acumulado toda a proteína que podia. Acredito que precisamos de uma medida preventiva e diagnosticar antes do comprometimento cognitivo leve”, destaca.


Bertolucci afirma que o estímulo ao conhecimento da população geral e, principalmente, dos profissionais de saúde, em prol de uma identificação precoce é importante para que os medicamentos sejam eficientes, ao chegar ao mercado. Entretanto, alerta: “No Brasil o diagnóstico precoce é um problema, já que a maioria vê a demência inicial como sintoma normal do envelhecimento”.


Mesmo repleto de dificuldades, o futuro é esperançoso. Hoje em dia, para descobrir se o paciente é portador de Alzheimer, pode-se realizar a dosagem de proteínas beta-amiloide e tau no líquor. Por ser um procedimento invasivo e caro, isso acaba dificultando o acesso, mas...


“Estão em desenvolvimento marcadores no sangue e, se forem comprovados, isso será ótimo. Conseguindo identificar em um exame de rotina, podemos diagnosticar pessoas em uma fase mais precoce”, pondera Bertolucci.

18 visualizações